Como lidar com um colaborador que está habitualmente atrasado



Estabelecer regras básicas, documentar violações, usar um processo de disciplina formal e reconhecer problemas maiores no local de trabalho pode ajudar muito a corrigir problemas com atrasos.


Os empregadores esperam que seus colaboradores cheguem a tempo e entendam que ser pontual e confiável é importante para o vínculo empregatício. Problemas como trânsito, trens atrasados ​​ou ônibus ou problemas familiares, às vezes podem atrasar os colaboradores, e quando os colaboradores chegam ocasionalmente alguns minutos atrasados, geralmente não é um grande problema. O atraso crônico, por outro lado, é diferente, e para os proprietários de pequenas empresas, a equipe chegando atrasada pode ter implicações significativas de tempo e custo. Isso pode afetar negativamente a produtividade e a lucratividade de uma pequena empresa.


Instâncias repetidas de atraso devem ser tratadas com firmeza e profissionalismo. É importante que os proprietários de pequenas empresas estabeleçam expectativas claras com seus colaboradores para que eles entendam e cumpram essa importante regra de local de trabalho e tenham uma compreensão completa de quais são as consequências se o atraso continuar a ser um problema.


Abaixo estão algumas etapas que os proprietários de pequenas empresas podem adotar para gerenciar melhor os problemas de atraso antes que se tornem um problema maior.


1º Etapa: definir as regras básicas


É importante que os colaboradores saibam o que se espera deles. Isso pode ser feito estabelecendo e comunicando uma política de atraso. Algumas coisas para incluir na política são:


  • As expectativas do empregador de chegar ao trabalho a tempo. Por exemplo, espera-se que os colaboradores comecem a trabalhar conforme o horário estabelecido e que estejam prontos (uniformizados e/ou outras tarefas anteriores) para começar a trabalhar. As chegadas tardias não aprovadas são prejudiciais e devem ser evitadas;


  • As consequências para chegar atrasado ao trabalho;


  • Como o tempo será rastreado (por exemplo, passar cartões, marcar um relógio ou assinar uma folha de presença);


  • Um procedimento para relatar o atraso, incluindo quem o funcionário deve notificar se ele estiver atrasado e quando;


  • Como os colaboradores serão obrigados a compensar o tempo perdido (se aplicável);


  • Um esboço das ações disciplinares que serão tomadas para os colaboradores que não seguem a política.


Além disso, a política deve ser flexível o suficiente para permitir situações especiais que possam surgir.


Tenha em mente que, para que uma política seja eficaz, ela deve ser aplicada de maneira justa e consistente em todo o local de trabalho, e os colaboradores devem ser disciplinados de maneira imparcial. Colaboradores específicos não devem ser direcionados. A aplicação inconsistente de políticas deixa o empregador aberto a queixas de colaboradores de tratamento injusto.


Atenção:


É importante garantir que a política de atraso do empregador esteja em conformidade com as leis estaduais e federais aplicáveis.


Dica:


De acordo com as expectativas de comunicação, é importante que os colaboradores saibam seus horários. Os agendamentos de trabalho devem ser definidos com antecedência para que os colaboradores possam se preparar adequadamente.


2º Etapa: documento e conselho


É importante ter uma documentação apropriada para as violações das regras do local de trabalho para que um colaborador saiba o que deve ser seguido. Quando um colaborador chega para trabalhar até tarde, essa chegada deve ser registrada pelo supervisor de plantão. O treinamento de supervisão pode ajudar a garantir que os supervisores conheçam suas funções e responsabilidades quando se trata de documentar o atraso e aconselhar e disciplinar os colaboradores.


Muitas vezes, o atraso crônico pode ser resolvido informalmente. Uma vez que um padrão de atraso é identificado, lembre ao colaborador por que é importante estar na hora de trabalhar e garantir que ele entenda a diferença entre as expectativas do empregador e seu comportamento real. Dê ao colaborador uma oportunidade de explicar por que ele está atrasado regularmente e incentive-o a desenvolver uma solução que funcione tanto para o colaborador quanto para o empregador.


Abordar o problema dessa maneira ajudará a garantir que o colaborador encontre uma solução na qual ele possa ajudar a resolver o problema sem a necessidade de ações disciplinares adicionais.


Dica:


Tenha a conversa de aconselhamento com um colaborador antes que o atraso se torne excessivo. Ajudar o colaborador a descobrir o motivo pelo qual ele está atrasando e fornecer apoio e orientação pode fazer uma grande diferença. Demonstrar uma atitude de cuidado pode ajudar a melhorar o engajamento dos colaboradores.


3º Etapa: Use Medidas Disciplinares Formais


Se o atraso persistir, pode ser necessário tomar medidas disciplinares mais formais. É importante sinalizar aos colaboradores a importância de chegar no horário de trabalho e declarar claramente as consequências se eles chegarem atrasados.


Alguns empregadores optam por adotar um sistema de disciplina progressiva que usa medidas disciplinares crescentes para tentar corrigir a conduta de um colaborador. As medidas progressivas dependem da natureza e frequência do problema e as etapas geralmente variam de aconselhamento até a rescisão do contrato de trabalho.


Se a documentação e o aconselhamento discutidos na Etapa 2 não alcançarem os resultados desejados, o colaborador deve estar claramente ciente das consequências do atraso contínuo. Por exemplo:


  • A primeira ocorrência de atraso após a sessão de aconselhamento pode resultar em um lembrete sobre o que o colaborador concordou na sessão de aconselhamento.


  • O segundo exemplo seria um aviso verbal.


  • A terceira instância garantiria outra sessão de aconselhamento com uma advertência por escrito declarando claramente o problema. O colaborador deve ser solicitado a ler e assinar o aviso. Durante esta sessão, certifique-se de que o colaborador entenda que, se a situação persistir, poderão ocorrer consequências mais graves, incluindo até a rescisão do contrato de trabalho.


Atenção:


É importante lembrar que os colaboradores não devem ser disciplinados ou retaliados se o motivo do atraso for legalmente protegido.


Dica:


Preserve discrição e flexibilidade em qualquer política relacionada à conduta e disciplina dos colaboradores. Essas políticas devem ser elaboradas de forma a permitir que o empregador responda de maneira apropriada e eficaz em todas as circunstâncias. É importante reservar o direito de combinar, ignorar ou adicionar etapas em qualquer processo disciplinar e manter o direito e a discrição de rescindir imediatamente.


4º Etapa: Reconheça um Problema Maior no Local de Trabalho


Se um empregador tiver muitos colaboradores consistentemente chegando atrasados ​​ao trabalho, talvez seja hora de tomar medidas adicionais. Considere conduzir algumas sessões de treinamento sobre a importância da pontualidade no local de trabalho. Reforçar as funções e responsabilidades de supervisão e comunicar periodicamente a política ajudará a manter as coisas no topo da mente.


Lidere pelo exemplo. Se os supervisores costumam atrasar, isso envia uma mensagem aos colaboradores de que esse é um comportamento aceitável. O pessoal de supervisão deve garantir que eles cheguem no horário de trabalho e demonstrem que entendem a importância de chegar a tempo.


No geral, lembre-se de que os colaboradores que chegam tarde ao trabalho podem ter um impacto negativo na lucratividade do empregador e no moral dos colegas de trabalho. O gerenciamento efetivo desse problema no local de trabalho pode resultar em economias significativas, além de ter uma força de trabalho mais eficaz, eficiente e engajada.



Fonte: https://www.franchise.org/

© 2020 por Grupo Latino Americano de Franquias

  • Instagram - White Circle